Review – O Rei do Show

reidoshow

Elenco: Dirigido por Michael Gracey. Com Hugh Jackman, Michelle Williams, Zac Efron.

Sinopse: A história do Showman P.T.Barnaum, desde sua infância pobre e orfão até o momento em que assume um importante show de Freaks, conquistando a simpatia de uns e o desprezo de outros.

Impressões:  O longa do diretor Michael Gracey é um espetáculo grandioso (abaixo de “Moullin Rouge” mas acima de “Os Miseráveis”), que consegue despertar comoção e fascínio em seu espectador, maravilhado com o que vê na tela e tocado nas  emoções mais profundas de seu ser. A história de P.T.Barnum é contada de uma maneira dramática e alegórica, brincando com as cores e com uma dezena de sequenciais musicais que inundam a história – a maioria delas, felizmente, coerente com a proposta em trazer diversão e reflexão ao mesmo tempo.

Hugh Jackman apresenta-se perfeito no papel do protagonista, tão a vontade que faz até com que esqueçamos seu Wolverine adormecido. Protagonizando alguém que luta para trazer uma vida melhor a sua familia mas que, ao mesmo tempo, lida com alguns traumas humilhantes de sua infância, mostrando como um ego manchado pode nublar a visão do homem mais simples e puro, sedento pela aceitação geral e amaceio do próprio orgulho. A breve participação de Rebecca Fergunson no papel da cantora Jeny Lind é marcante, com muito mais empenho e função do que o apagado papel da boa Michelle Williams.

Com destaque as musicas “This is Me”, “A Million Dreams” e “Never Enough”, “O Rei do Show” traz um figurino caprichado e uma edição harmonica dos competentes Tom Cross, Robert Duffy e Jow Hutshing (com destaque a sequencia inicial, elegante e dinamica), além de potencializar o diretor Michael Gracey como uma boa aposta em um futuro projeto.

Curiosidades & Spoilers:

  • Primeiro longa dirigido pelo diretor Michael Gracey;
  • A atriz Zendaya fez todas as cenas com acrobacias sem o uso de dublê;
  • As canções apresentadas no longa foram escritas por Benj Pasek e Justin Paul, também compositores do filme “La La Land : Cantando Estações”.

 Nota (de 0 a 100): 80

About Agostinho Bernardes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *