Review – Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar

Piratas-do-Caribe-A-Vingança-de-Salazar4-1000x554

Elenco: Dirigido por Joachim Ronning e Espen Sandberg. Com Johnny Deep, Javier Bardem, Brenton Thwaites.

Sinopse: O capitão Jack Sparrow terá de enfrentar o capitão Salazar e seu exército de piratas fantasmas. Aliado a uma astrônoma e um oficial inglês renegado, eles partirão atrás do Tridente de Poseidon, um artefato que dá a seu possuidor o controle dos sete mares.

Impressões:  Em 2003, quando foi lançado o primeiro longa “Piratas do Caribe A Maldição do Pérola Negra”, é provável que a própria Disney não tinha sequer expectativas de esse filme, baseado em uma atração dentro de seu parque temático, fizesse tanto sucesso e que uma nova – e lucrativa – franquia passasse a existir a partir de então. 14 anos depois, embora o interesse desperto pela franquia já não seja o mesmo de outrora, somos ainda pegos muito mais pela empatia que temos com seus personagens principais – independente de seu tempo de tela e, alguns, até mesmo com participações mais curtas do que o devido, as chamadas “especiais” – do que pelas histórias apresentadas. É até bacana ver Jack Sparrow enfrentando outros capitães piratas, cada um personificado com trejeitos diferentes, mas semelhantes em sua essência.

Entretanto, a fórmula narrativa se repete uma vez mais, trazendo situações diferentes acontecendo de maneiras semelhantes. É um resguardo muito nítido, como se os produtores entendessem que o público se acostumou tanto com essas histórias que não só não ousam arriscar com coisas diferentes como parecem não acreditar que qualquer outra fórmula pudesse vingar. O que é uma pena, dado as possibilidades de novos e interessantes personagens que poderiam surgir, imersos em tramas melhor elaboradas. Mesmo o ator Johnny Deep mantém sua atuação no automático, mostrando exatamente o Jack Sparrow que todos querem ver, com seus maneirismos irritantes e gestos pouco naturais.

O ponto fraco cai no desinteresse total pelo novo casal protagonista, que mais parece um ensaio mal feito da dinâmica Will & Elisabeth do que um elemento novo que realmente agregue algo a trama. Aliás, o que dizer do excesso de coincidências e vínculos entre personagens atirados sem qualquer preparação durante o longa, unicamente para forçar encaixar a história ou justificar atitudes de personagens que, sem elas, poderiam facilmente serem descartáveis?

A caracterização do personagem Salazar vivido por Javier Bardem é impecável, trazendo uma fala sempre podre e carregada, aliada a uma forma desengonçada de se movimentar, como se ele levantasse um enorme peso sob seus ombros. As cenas de batalhas no mar, embora não tão icônicas ou inspiradas quanto os primeiros filmes, conseguem satisfazer bem seu espectador pela ação e sua dinâmica mais opressiva – e é bacana, por exemplo, ver o modo com o barco de Salazar ataca seus oponentes, como se representasse um predador feroz e sanguinário, digno do temor desperto em seus adversários.

É impossível prever se a Disney dará nova sequência a franquia. Mas se o fizer, terá de trazer muito mais ao seu público, antes que o interesse por Jack Sparrow e cia acabe por completo.

Curiosidades & Spoilers:

  • Quinto longa da franquia “Piratas do Caribe”, assim como é a quinta participação dos personagens Jack Sparrow, Barbossa e Gibbs, vividos pelos atores Johnny Deep, Geofrrey Rush e Kevin McNally;
  • As filmagens foram realizadas em Queensland, na Austrália;
  • O compositor Geoff Zanelli assumiu a trilha sonora, substituindo Hans Zimmer que fora o responsável pela trilha nos últimos quatro filmes.

Nota (de 0 a 100): 68

About Agostinho Bernardes

2 comments on “Review – Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar

  1. Você reparou que existem cenas pós créditos?

    Por mim o filme poderia ser um bom final de franquia, mas imagino que a Disney não vai largar o osso tão cedo. Não achei o filme ruim, o problema é ele ser o quinto da franquia.

    1. Eu não vi as cenas pós créditos mas descobri poucos depois que tinha realmente uma. Não acredito que o problema seja o fato dele ser o quinto longa da franquia mas, sim, por ele ser o quinto longa da franquia sem acrescentar nada a mesma, além de apresentar novamente uma fórmula que já foi mostrada. Esperemos para ver como a Disney irá lidar com um sexto longa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *